Ueba^^

Uêba - Os Melhores LinksUm mundo de conteúdoEstá no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!Tedioso: Os melhores links

segunda-feira, junho 2

O artista quase esquecido que propagandeou contra Hitler

Fonte
Cupinchas!
A arte política do tempo da Segunda Guerra Mundial, ferozmente moral e meticulosamente detalhada de Arthur Szyk, está voltando à consciência pública devido aos esforços do renascimento do século 21...

Continua adaptação:
"Há quarenta anos atrás, o jovem Rabi Irvin Ungar ficou encantado com o trabalho de um imigrante polonês ilustrador, Arthur Szyk. O último nome do artista (pronunciado Shik) era conhecido dos leitores da Colliers, Esquire e Time, revistas de antes, durante e de logo após a Segunda Guerra Mundial, por suas intrincadas caricaturas anti-nazistas e suas Iluminações de estilo medieval minuciosamente detalhadas, criadas para histórias bíblicas, textos judaicos e literatura secular. No entanto, após a sua morte, em 1951, Szyk foi praticamente esquecido.

Um trabalho de Szyk de 1942, retratando a Hitler como o Anti-Cristo.
Mas Ungar, que colecionava obsessivamente a obra do artista, começou a reviver o seu legado artístico: fundando a Arthur Szyk Society, publicando várias monografias, catálogos e cartas e contribuindo para exposições em vários lugares do mundo. Um recente documentário criado em parte por Ungar, intitulado Soldier in Art: Arthur Szyk (Soldado na Arte: Arthur Szyk), tem sido exibido em seis festivais de cinema e está programado para ser mostrado nos teatros de Laemmle em West Los Angeles e Encino, em 30 de maio a 5 de junho.

Para o agora ex-rabino Ungar, sua devoção à Szyk 'não é uma missão religiosa pessoal,' ele disse em um e-mail ao site theatlantic.com. 'Mas em um sentido, sua arte reflete o meu próprio sistema de valores como judeu. Eu sempre fui ensinado que um indivíduo deve saber sobre a tradição religiosa e determinar como a melhor tradição pode advogar para a humanidade em geral.'

Durante a segunda guerra mundial, Szyk esteve engajado em uma 'guerra de um homem só' contra a perseguição de Hitler aos judeus e também serviu como um 'exército' contra o eixo. Ele levantou dinheiro para os chineses e para os tchecos, aos pólos deslocados, aos britânicos esfarrapados e aos soldados da Commonwealth da Austrália e da Nova Zelândia. Durante a guerra e depois, sua arte chamou a atenção para a luta indígena e para o racismo direcionado contra afro-americanos e defendeu os muçulmanos na Indonésia contra os holandeses em 1948.

Soldier in Art: Arthur Szyk, é o terceiro documentário curto que Ungar co-produziu sobre o artista. O cineasta Jim Ruxin definiu 70 imagens de Szyk e sua arte em uma forma de narrativa sem palavras, apresentando uma trilha sonora original do compositor Richard Friedman, cujos pais eram sobreviventes do Holocausto.

Vídeo reserva

O filme mostra o comentário visual de Szyk na democracia americana, os horrores do nazismo e do Holocausto e o renascimento do povo judeu em Israel. Não é uma biografia, mas intimamente compartilha com o público, a sua crença pessoal na liberdade. 'Szyk era um gênio,' diz Ungar sobre sua missão, 'e ele deve ser recuperado pelo mundo da arte, assim como pelos povos que ele amava - os judeus, poloneses, americanos - e qualquer pessoa interessada em justiça social combinada com grande arte.'

Ungar tratou sua primeira exposição, 'Justice Illuminated: The Art of Arthur Szyk' (Justiça iluminada: A arte de Arthur Szyk), no Museu de Spertus em Chicago. Seguido então por numerosas exposições individuais, cada uma com diferentes temas e obras de arte. Atualmente há uma mostra de suas pinturas originais de Hagadá no Museu Judeu contemporâneo em San Francisco. 'Há ainda muito por fazer', diz Ungar. 'Muito mais'.

A associação não-lucrativa Szyk Society, ajudou a gerar um interesse renovado no trabalho de Szyk. Como seu curador desde a década de 1990, Ungar tem usado suas habilidades de púlpito para disparar o interesse entre os estudiosos, promovendo trabalhos de história da arte e desenvolvendo um programa de exposição vital que excursiona nos campus universitários. Ele também está desenvolvendo um banco de dados com milhares de imagens, fotos e textos de Szyk.

Salmo 35 no Hagadá de Syzk.
Szyk uma vez disse, 'a arte não é meu objetivo, é meu meio.' E apesar de vários dos livros ilustrados de Szyk - sua fantasia de antes da guerra The Temptation of Saint Anthony (a tentação de Santo Antônio de 1926), seu The Canterbury Tales (Os contos de Canterbury) do pós guerra (1947) - não possuírem nenhuma mensagem de justiça social, a maioria de seus livros ilustrados, tentam transmitir uma mensagem política.
Por exemplo, a Revolução na Alemanha (Revolution in Germany, 1919) foi uma sátira contra a Alemanha e suas influências negativas na Polônia. O livro de Ester (The Book of  Esther, 1925) foi seu primeiro tratado religioso para mostrar os judeus frente à ameaça da aniquilação e o Hagadá (The Haggadah , 1940), no qual ele retratou os nazistas como os antigos egípcios na narrativa do Êxodo, alertando à nova geração dos séculos de ódio.

Ilustração interna da capa do contos de fadas de Andersen, 1944.

Quase sem exceção, a arte do Szyk nunca foi ambígua ou abstrata. 'Quase sempre possuía um tema comum,' diz Ungar. 'Liberdade e não tirania; Justiça e não opressão - que, quando combinada com a singularidade do seu estilo, é a razão para que Szyk tenha se tornado um dos mais importantes artistas políticos da primeira metade do século 20.'"

Abrax

Assinatura: Não vá embora ainda!Passe na página inicial AQUI e confira outros posts!
Os emoticons espalhados pelo blog são sonoros, clique neles mas cuidado com o volume!
Lista de todos os Smyles sonoros AQUI

Nenhum comentário: