Ueba^^

Uêba - Os Melhores LinksUm mundo de conteúdoEstá no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!Tedioso: Os melhores links

segunda-feira, maio 19

Animais na guerra - A Primeira Guerra Mundial em fotos - 100 anos atrás

Fonte

Cupinchas!
Animais foram utilizados na primeira guerra mundial em uma escala nunca antes vista e nunca mais repetida. Milhões de cavalos foram colocados em serviço como montaria e como bestas de carga, mas eles não eram os únicos animais ativos na guerra. Mulas, cães, camelos e pombos, desempenharam funções vitais, assim como muitos outros. Todos em grande perigo a um custo elevado...

Continua adaptação:

Confira também: 
100 anos atrás - a primeira guerra mundial em fotos
Primeira Guerra Mundial em Fotos: A Frente Ocidental - 100 anos atrás
A tecnologia da Primeira Guerra Mundial em fotos - 100 anos atrás

"Quando a guerra começou, os exércitos da Europa tiveram um entendimento da guerra, colocando o uso da cavalaria em alta consideração. Logo, porém, o terreno mortal que evoluiu em torno das trincheiras, fizeram quase inúteis os ataques de cavalaria na Frente Ocidental.
Mas a necessidade de reabastecimento constante, o deslocamento de novos armamentos pesados e transporte de tropas, exigia cavalos de potência em escala maciça - automóveis, tratores, e caminhões eram invenções relativamente novas e um tanto raros.

Um único soldado em seu cavalo, durante uma patrulha de cavalaria na Primeira Guerra Mundial. No início da guerra, todos os grandes exércitos possuíam uma cavalaria substancial e tiveram um bom desempenho no início. No entanto, o desenvolvimento do arame farpado, metralhadoras e a guerra de trincheiras, logo fez dos ataques a cavalo muito mais caros e ineficazes na Frente Ocidental. Porém, as unidades de cavalaria provaram ser úteis durante toda a guerra em outros teatros, incluindo a frente oriental e no Oriente Médio. 

Forças britânicas e francesas importavam cavalos de colônias e de aliados ao redor do mundo e um fluxo quase constante de centenas de milhares de animais em todo os oceanos, dirigiam-se para a guerra.
Uma estimativa coloca o número de cavalos mortos durante os quatro anos de conflito em cerca de 8 milhões. Outros animais provaram a sua utilidade como: cães que se tornaram mensageiros, sentinelas, atuando em resgates e como pequenos animais de carga.

Ataque com gás na Frente Ocidental, perto de St. Quentin em 1918 - um cão mensageiro alemão é solto por seu tratador. Cães foram usados ​​durante a guerra como sentinelas, como rastreadores, em resgates, como mensageiros e muito mais.

Pombos atuaram como portadores de mensagens e até mesmo (experimentalmente) como plataformas de reconhecimento aéreo. Camelos e mulas foram convocados para uso em vários teatros de guerra e muitos soldados trouxeram mascotes para ajudar a elevar o moral.
Apenas umas duas décadas mais tarde, no início da II Guerra Mundial, a maioria das tarefas militares designadas aos animais foram feitas por máquinas e as guerras nunca mais dependeram tanto do poder animal.

Soldados alemães posam para a foto perto de um cavalo montado com uma estrutura construída com o propósito de acomodar uma metralhadora russa, capturada, Maxim M1910, completa com sua montagem de rodas e caixa de munições.
Bandagens obtidas do kit de um cão britânico, por volta de 1915.
Um pombo com uma pequena câmera acoplada. Pássaros treinados foram usados experimentalmente pelo cidadão alemão Julius Neubronner, antes e durante os anos de guerra, capturando imagens aéreas, através de um mecanismo temporizador que clicava no botão do obturador da câmera.
Descarga de uma mula em Alexandria, no Egito, em 1915. A escalada da guerra levou a Grã-Bretanha e França a importar cavalos e mulas do exterior às centenas de milhares. Navios de transporte vulneráveis foram alvos frequentes da marinha alemã, enviando milhares de animais para o fundo do mar.
Sargento Stubby foi o cão de guerra mais condecorado da Primeira Guerra Mundial e o único cão a ser promovido a sargento por meio de combate. O Boston bull terrier começou como o mascote da 102ª Infantaria, 26ª divisão Yankee e acabou se tornando um cão de combate completo. 
Trazido até as linhas de frente, ele foi ferido em um ataque com gás logo no início, o que lhe deu uma sensibilidade ao gás que mais tarde lhe permitiu avisar seus soldados de ataques de gás iminentes, correndo e latindo. Ele ajudou a encontrar soldados feridos e até mesmo capturou um espião alemão, que estava tentando mapear trincheiras aliadas. Stubby foi o primeiro cão a receber a patente das forças armadas dos Estados Unidos e foi condecorado por sua participação em dezessete missões, sendo ferido duas vezes.
Membros do regimento de cavalaria Royal Scots Greys descansam os cavalos ao lado de uma estrada, na França. 
Em Kemmel, Flandres Ocidental, Bélgica. O efeito do fogo da artilharia inimiga sobre ambulâncias alemãs, em maio de 1918.
Hospital do Crescente Vermelho em Hafir Aujah em 1916. 
Um cabo, provavelmente da equipe do segundo hospital geral australiano, segura um coala, um animal de estimação ou mascote no Cairo, em 1915. 
Exercícios de cavalaria turca na frente de Salônica, na Turquia, em março de 1917. 
Um cão mensageiro com um carretel de fios esticando uma nova linha elétrica em setembro de 1917.
Um elefante indiano, do Jardim Zoológico de Hamburgo, usado pelos alemães em Valenciennes, França, para ajudar a mover troncos de árvores em 1915. Enquanto a guerra se arrastava, animais de carga tornaram-se escassos na Alemanha e alguns animais de circos e zoológicos foram requisitados para uso do exército. 
Oficiais alemães em um automóvel na estrada com um comboio de carroções e soldados a pé ao longo do lado da estrada.
'Esses pombos-correio estão fazendo muito para salvar as vidas dos nossos rapazes na França. Eles agem como mensageiros eficientes e portadores de envios não só de divisão para divisão e das trincheiras para a retaguarda, mas também são usados por nossos aviadores para informar os resultados de sua observação.' (Na placa: "Pombos-correio militares - Estes são os pássaros que trabalham para salvar a vida dos nossos garotos na França." NDT. rusmea.com)
Pombos do exército belga. Estações de pombos foram criadas atrás das linhas de frente, os pombos eram enviados para o front, para depois retornarem com mensagens amarradas às suas pernas.
Dois soldados com motos, cada um com uma cesta de vime amarrada às costas. Um terceiro homem está colocando um pombo em um dos cestos. No fundo há dois pombais móveis e uma série de tendas.  O soldado no meio tem o distintivo Granada do Real Corpo de Engenharia sobre as divisas que mostram que ele é Sargento.
Uma mensagem é anexada a um pombo-correio por tropas britânicas na Frente Ocidental em 1917. Um dos pombos-correio da França, chamado Cher Ami, foi agraciado com a honraria francesa 'Croix de Guerre avec Palme' (Cruz de guerra com palma) pelo serviço heroico de entregar 12 mensagens importantes durante a Batalha de Verdun. 
Um cavalo de tiro (Cavalo de tração "Cavalo de tirão" no Rio Grande do Sul. NDT. rusmea.com) atrelado a um poste. O seu parceiro foi morto por estilhaços em 1916. 
O mascote felino do cruzador leve HMAS Encounter, olhando a partir do cano de uma arma de 6 polegadas. (Confira também: Gatos - os senhores dos navios. rusmea.com)
General Kamio Mitsuomi, Comandante em chefe do exército japonês na entrada formal em Qingdao, dezembro de 1914. A utilização de cavalos era vital para os exércitos em todo o mundo durante a Primeira Guerra Mundial.
Refugiados belgas deixando Bruxelas, com seus pertences em uma carroça puxada por um cão, 1914. 
Corpo da brigada de camelos australiana entram em ação em Sharia perto de Beersheba, em dezembro de 1917. O Coronel e muitos daqueles homens foram mortos, menos de uma hora depois.
Na Frente Ocidental, um artilheiro alemão morto e vários cavalos de tiro, por volta de 1918. Números exatos são difíceis de encontrar, mas há uma estimativa de que 8 milhões de cavalos morreram durante os quatro anos de guerra.


https://lh3.googleusercontent.com/-xlmYhF2caOM/U3kVl6pAjxI/AAAAAAABHE0/wgijBkTjzNg/w642-h450-no/rusmea.com-+animais+na+guerra+%252825%2529.jpg


Um soldado e seu cavalo, ambos com máscaras de gás, por volta de 1918.
Cães da Cruz Vermelha alemã se dirigem ao front.
Uma cena na Valáquia, Romênia.


https://lh5.googleusercontent.com/-LVPuJF_TPJY/U3kVnK-EFKI/AAAAAAABHFM/fz7MKfXlqSE/w642-h444-no/rusmea.com-+animais+na+guerra+%252828%2529.jpg

Chasseurs belgas passam pela cidade de Daynze, Bélgica, no caminho de Ghent para enfrentar a invasão alemã.
O avanço a oeste de St. Quentin, Aisne, na França. A artilharia puxada por cavalos avança através de posições britânicas capturadas em 26 de Março de 1918.
Frente Ocidental, cápsulas transportadas a cavalo, 1916.
Linha de camelos em uma estação d'água gigante em Asluj, na campanha Palestina.
Um tanque britânico Mark V passa por um cavalo morto na estrada em Peronne, França, em 1918.
Um tratador lê uma mensagem trazida por um cão mensageiro, que havia acabado de nadar em um canal na França, durante a Primeira Guerra Mundial.
Cavalos requisitados para o esforço de guerra em Paris, França, por volta de 1915. Agricultores e famílias na esfera civil, em oposição à militar, sofreram grandes dificuldades quando seus melhores cavalos foram levados para o uso na guerra. 
Na Bélgica, após a batalha de Haelen, um cavalo sobrevivente é utilizado na remoção de cavalos mortos, perecidos no conflito, em 1914. 
Um cão treinado para procurar soldados feridos sob fogo inimigo em 1915. 
Cavalaria argelina anexada ao exército francês, escoltando um grupo de prisioneiros alemães, rendidos em combates no oeste da Bélgica. 
Um cossaco russo, em posição de tiro, atrás de seu cavalo em 1915.
Artilharia sérvia em ação na frente de Salônica, em dezembro de 1917. 
Um cavalo amarrado e sendo baixado em posição para ser operado de uma ferida de bala pelo 1º Tenente Burgett. Le Valdahon, Doubs, França. 
6 º regimento leve de cavalaria australiana, marchando em Sheikh Jarrah, no caminho para o Monte Scopus, em Jerusalém, em 1918.
Cavalos da cavalaria francesa nadam através de um rio no norte da França.
Cavalos mortos e uma carroça quebrada em Menin Road, tropas à distância, setor de Ypres, na Bélgica, em 1917. Cavalos significavam poder e agilidade, transportando armas, equipamentos e pessoal e foram alvejados por tropas inimigas para enfraquecer o outro lado - ou eram capturados para serem colocados em uso por um exército diferente.
Animais de guerra transportando animais de guerra - em uma escola de comunicação de pombos-correio em Namur, na Bélgica, um cão de envio equipado com uma cesta de pombos para o transporte de pombos-correio para a linha de frente."

Nota do editor da fonte: "Estas fotos são de um século atrás e algumas podem ter legendas com informações incompletas ou incorretas. Quaisquer informações adicionais ou correções são bem vindas nos comentários e farei o meu melhor para incorporá-las"

Confira também: 
100 anos atrás - a primeira guerra mundial em fotos
Primeira Guerra Mundial em Fotos: A Frente Ocidental - 100 anos atrás
A tecnologia da Primeira Guerra Mundial em fotos - 100 anos atrás

Abrax

Assinatura: Não vá embora ainda!Passe na página inicial AQUI e confira outros posts!
Os emoticons espalhados pelo blog são sonoros, clique neles mas cuidado com o volume!
Lista de todos os Smyles sonoros AQUI

Nenhum comentário: