Ueba^^

Uêba - Os Melhores LinksUm mundo de conteúdoEstá no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!Tedioso: Os melhores links

terça-feira, abril 29

100 anos atrás - a primeira guerra mundial em fotos

Fonte Fonte
Cupinchas!
Há 100 anos atrás, no verão de 1914, uma série de eventos desencadeou um conflito global sem precedentes, que em última análise, custou a vida de mais de 16 milhões de pessoas, redesenhando radicalmente os mapas da Europa e preparou o terreno para o século 20...

Confira:
100 anos atrás - Primeira Guerra Mundial em Fotos: A Frente Ocidental

Segue adaptação:

"Há um século atrás, um assassino, um nacionalista sérvio, matou o herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, quando ele visitou Sarajevo. Esse ato foi o catalisador para um enorme conflito que durou quatro anos. Mais de 65 milhões de soldados foram mobilizados em mais de 30 países, com as batalhas ocorrendo em todo o mundo. A industrialização trouxe armas modernas, equipamentos e táticas para a guerra, aumentando enormemente o poder de matar dos exércitos.

Soldados australianos da quarta divisão de artilharia atravessam a pé sobre uma pista de estrados, colocada através de um lamacento campo de batalha em Chateau Wood, perto de Hooge, Bélgica, em 29 de outubro de 1917. Isso foi durante a batalha de Passchendaele, travada pelas forças britânicas e seus aliados contra a Alemanha pelo controle do território perto de Ypres, na Bélgica. 


As condições do campo de batalha eram horríveis, tipificado pelas caóticas crateras da Frente Ocidental, onde os soldados em trincheiras lamacentas enfrentaram disparos, bombas, gás, perfurações de baionetas e muito mais. Neste aniversário de 100 anos, eis aqui as fotografias da Grande Guerra de dezenas de coleções, algumas digitalizadas pela primeira vez, para tentar contar a história do conflito, o que aconteceu na mesma e quanto isso afetou ao mundo.

Nove soberanos europeus em Windsor para o funeral do rei Edward VII em maio de 1910, quatro anos antes do início da guerra. Em pé, da esquerda para a direita: 

O Rei Haakon VII da Noruega, o czar Ferdinand da Bulgária, o rei D. Manuel II de Portugal, o Kaiser Wilhelm II do Império Alemão, o rei Jorge I da Grécia e Rei Alberto I da Bélgica. Sentados, da esquerda para a direita:

Rei Alfonso XIII da Espanha, o rei-imperador George V do Reino Unido e o rei Frederico VIII da Dinamarca. Na seguinte década, o Kaiser Wilhelm II e o império do czar Ferdinand iriam se envolver em uma guerra sangrenta com as nações lideradas pelo Rei Alberto I e o Rei George V. 

A guerra também era um assunto de família, como o Kaiser Wilhelm II era um primo do rei George V e um tio do Rei Albert I. Dos restantes monarcas retratados, durante a seguinte década, um seria assassinado (Grécia), três manteriam suas nações neutras (Noruega, Espanha e Dinamarca), e dois seriam forçados a sairem do poder por revoluções.
Em 1914, o Império Austro-Húngaro era um país poderoso e enorme, maior do que a Alemanha, com quase a mesma quantidade de cidadãos. Havia sido governado pelo Imperador Franz Joseph I desde 1848, que tinha sido a preparação para o seu sobrinho, o arquiduque Franz Ferdinand como o herdeiro do trono. Nesta foto, tirada em Sarajevo em 28 de Junho de 1914, mostra uma visita do arquiduque Franz Ferdinand e sua esposa, a condessa Checa Sophie Chotek, partindo de uma recepção na Câmara Municipal. 

No início da manhã, no caminho para o salão, sua comitiva foi atacada por um integrante de um grupo de assassinos nacionalistas sérvios, cuja bomba danificou um carro e feriu dezenas de espectadores. Após esta foto ser tirada, o arquiduque e sua esposa entraram no carro aberto, dirigindo-se a um hospital próximo para visitar os feridos. A poucos quarteirões de distância, porém, o carro parou para dar a volta, diretamente na frente de outro assassino, que foi até o carro e disparou dois tiros, matando a Franz Ferdinand e sua esposa.
O assassino Gavrilo Princip (à esquerda) e sua vítima, o arquiduque Franz Ferdinand, ambos fotografados em 1914. Princip, um rapaz de 19 anos sérvio-bósnio que matou o arquiduque, foi recrutado junto com outras cinco pessoas por Danilo Ilic, um amigo e companheiro sérvio-bósnio, membro da sociedade secreta Mão Negra. Seu objetivo final era a criação de uma nação sérvia. A conspiração, assistida por membros do exército da Sérvia, foi rapidamente descoberta e o ataque se tornou um catalisador que logo definiu enormes exércitos marchando uns contra os outros ao redor do mundo. 

Todos os assassinos foram capturados e julgados. Treze receberam penas de prisão médias a curtas, incluindo Princip (que era muito jovem para a pena de morte, que foi condenado à máxima, uma sentença de 20 anos). Três dos conspiradores foram executados por enforcamento. Quatro anos depois do assassinato, Gavrilo Princip morreu na prisão, vitimado pela tuberculose, que foi agravada pelas condições adversas provocadas pela guerra, que ele mesmo ajudou a estabelecer. 
Um nacionalista sérvio-bósnio (possivelmente Gavrilo Princip, mais um provável espectador de Ferdinand Behr), é capturado pela polícia e levado para a delegacia de Sarajevo, em 28 de junho de 1914, após o assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono austro-húngaro e sua esposa. 
Logo após o assassinato, o Império Austro-Húngaro emitiu uma lista de exigências para a Sérvia, exigindo que parassem toda a atividade anti-austro-húngara, dissolvesse certos grupos políticos, removesse certos agentes políticos, e prendesse aqueles dentro de suas fronteiras que participaram do assassinato, entre outras coisas - com 48 horas para cumprir. A Sérvia, com o apoio de seu aliado, a Rússia, polidamente recusou a cumprir integralmente e mobilizou seu exército. 

Logo depois, o Império Austro-Húngaro, apoiado pela Alemanha, seu aliado, declarou guerra à Sérvia em 28 de julho de 1914. Uma rede de tratados e alianças em seguidafoi iniciada e dentro de um mês, a Alemanha, o Império Austro-Húngaro, Rússia, França, Grã-Bretanha e o Japão, haviam mobilizado seus exércitos e declararam guerra. Nesta foto, tirada em agosto de 1914, a infantaria da guarda prussiana em novos uniformes de campo, saem de Berlim na Alemanha, indo para as linhas de frente. Meninas e mulheres ao longo do caminho cumprimentam e oferecem  flores a eles.
Soldados belgas com suas bicicletas em Boulogne, França, 1914. A Bélgica afirmou neutralidade desde o início do conflito, mas forneceu uma rota para a França que o exército alemão cobiçou, por isso, a Alemanha declarou que iria 'tratá-los como inimigos', se a Bélgica não permitisse que as tropas alemãs passagem livremente.
O conflito, chamado de Grande Guerra pelos envolvidos, foi o primeiro exemplo em grande escala da guerra moderna - tecnologias ainda utilizadas nas batalhas de hoje em dia, foram apresentadas em grande escala, para em seguida, alguns (como ataques químicos) serem proibidos e mais tarde vistos como crimes de guerra. 

O avião recém-inventado tomou o seu lugar como uma plataforma de observação, como bombardeiro e arma anti-pessoal, assim como uma defesa anti-aérea abatendo aviões inimigos. Aqui, os soldados franceses se reúnem em torno de um padre enquanto ele abençoa uma aeronave na Frente Ocidental, em 1915.
Entre 1914 e do fim da guerra em 1918, mais de 65 milhões de soldados foram mobilizados em todo o mundo - exigindo montanhas de suprimentos e equipamentos. Aqui, capacetes colocados sobre uma mesa do lado de fora de uma fábrica em Lübeck, Alemanha, mostrando os vários estágios do processo de confecção dos Stahlhelm para o Exército Imperial Alemão.
Um soldado belga fuma um cigarro durante uma batalha entre Dendermonde e Oudegem, Bélgica, em 1914. A Alemanha esperava uma vitória rápida contra a França e invadiu a Bélgica, em agosto de 1914, indo para a França. O exército alemão varreu a Bélgica, mas foi recebido com resistência mais dura do que o previsto na França. 

Os alemães se aproximaram a 70 quilômetros de Paris, mas foram empurrados para trás a uma posição mais estável, o que viria a ser os campos de batalha repletos de trincheiras, disputado durante anos. Neste mês do início da Primeira Guerra Mundial, centenas de milhares de soldados e civis foram mortos ou feridos - A França sofreu sua maior perda em um único dia em 22 de agosto, quando mais de 27 mil soldados foram mortos por fuzil e metralhadora e milhares mais foram feridos. 
Soldados alemães celebram o Natal no campo, em dezembro de 1914.
O front na França, uma cena em um campo de batalha à meia-noite. Exércitos inimigos eram por vezes situados nas trincheiras a poucos metros de distância um do outro. 
Um soldado austríaco, morto em um campo de batalha, em 1915.
https://lh3.googleusercontent.com/-_t8J5F1OGzU/U16SQZUxP2I/AAAAAAABEis/2Za7ThJlUPw/w642-h399-no/rusmea.com-primeira+guerra+mundial+em+fotos+%252839%2529+.jpg

Tropas austro-húngaras executando civis sérvios, provavelmente em 1915. Sérvios sofreram muito durante os anos de guerra, contando com mais de um milhão de mortes em 1918, abrangendo as perdas no campo de batalha, as execuções em massa e a pior epidemia de tifo na história.
https://lh5.googleusercontent.com/-yiJ0RTOaB7M/U16SOBOATXI/AAAAAAABEik/nSlBFpUO6fI/w642-h436-no/rusmea.com-primeira+guerra+mundial+em+fotos+%252838%2529+.jpg


A frota japonesa na costa da China em 1914. O Japão ficou do lado do Reino Unido e seus aliados, atacando os interesses alemães no Pacífico, incluindo colônias e territórios insulares alugados no continente chinês. 
Vista de aviões biplanos voando em formação, por volta de 1914-1918.
A frente Salonica (Frente Macedônia), tropas indianas com máscaras de gás. As forças aliadas se juntaram com os sérvios para combater exércitos das potências centrais e forçar uma frente estável durante a maior parte da guerra.
Descarga de um cavalo em Tschanak Kale, Turquia, para equipar o exército Austro-Húngaro. 
O navio de guerra francês Bouvet, nos Dardanelos. Foi designado para escoltar os comboios de tropas através do Mediterrâneo no início da guerra. No início de 1915, como parte de um grupo maior de navios britânicos e franceses combinados enviados para limpar as defesas turcas de Dardanelos, o Bouvet foi atingido por pelo menos oito bombas turcas e em seguida, foi atingido por uma mina, o que causou tantos danos que o afundou em poucos minutos. Enquanto alguns homens sobreviveram ao naufrágio e foram resgatados, quase 650 pereceram com o navio.
1915, soldados britânicos em motocicletas em Dardanelos, parte do Império Otomano, antes da Batalha de Galípoli. 
Um cão pertencente ao Sr. Dumas Realier, vestido como um soldado alemão, em 1915.
'Pill box demolishers' ("demolidoras de fortificações" NDT. rusmea.com) sendo descarregadas na Frente Ocidental. Essas enormes bombas pesavam 635,03 kg (£ 1.400. NDT.rusmea.com). Suas explosões faziam crateras com mais de 4,57 m de profundidade e 13,72 m de diâmetro.
Um enviado motociclista estudando os detalhes sobre uma lápide, enquanto no fundo, um balão de observação está se preparando para subir. Está escrito em alemão na cruz: "Hier ruhen tapfere französische Krieger", ou 'Aqui descansam bravos guerreiros franceses'.
Highlanders, soldados do Reino Unido, carregam sacos de areia até o front em 1916.
Artilharia britânica bombardeia posições alemãs na frente ocidental.
Um oficial britânico lidera o caminho do 'batismo de fogo' em meio à explosão de bombas alemãs. 
Soldados americanos, membros da 117ª bateria de morteiros de trincheiras de Maryland, operando um lança morteiro. Esta arma e operadores, mantiveram um fogo contínuo durante o ataque de 4 de Março de 1918 em Badonviller, Muerthe et Modselle, França.
Um soldado alemão joga uma granada de mão contra posições inimigas, em um campo de batalha desconhecido durante a Primeira Guerra Mundial.
Soldados franceses, alguns feridos, na tomada de Courcelles, no departamento de Oise, França, em junho de 1918.
Patrulha portadora de maca, dolorosamente faz o seu caminho através da lama até os joelhos perto de Bol Singhe durante o avanço britânico em Flandres, em 20 de agosto de 1917.
Soldados alemães praticam com um lança-chamas em 4 de abril de 1917. 
Candor, Oise, França. Soldados e um cão fora de uma casa em ruínas em 1917. 
Tanques britânicos passam por alemães mortos, que estavam vivos quando a cavalaria avançou alguns minutos antes da foto ser tirada. A Primeira Guerra Mundial viu a estréia de guerra do tanque, com diferentes níveis de sucesso, a maioria não muito expressiva. Muitos dos modelos anteriores quebravam com frequência ou ficaram atolados na lama, caíam em trincheiras, ou eram diretamente visados ​​pela artilharia (Devido a sua lentidão). 
https://lh5.googleusercontent.com/-TTAFzd_eF6k/U151Kj8f0kI/AAAAAAABEe4/HPq101MGvSE/w642-h446-no/rusmea.com-primeira+guerra+mundial+em+fotos+%252824%2529+.jpg

Frente Ocidental, tanques A7V alemães, avançam através de uma aldeia perto de Reims, em 1918.
Companhia de metralhadoras do exército turco-otomano em Tel esh Sheria, Linha de Gaza, em 1917, como parte da Campanha do Sinai e Palestina. Tropas britânicas estavam lutando contra o Império Otomano (apoiado pela Alemanha), pelo controle do Canal de Suez, Península do Sinai, e pela Palestina.
Ponte sobre as planícies de lama em Flandres, na Bélgica, em 1918. 
Uma vista aérea da paisagem infernal que mais parece lunar, da Frente Ocidental durante a Primeira Guerra Mundial. Do Morro de Combres, setor de St. Mihiel, norte de Hattonchatel e Vigneulles. Observe os padrões cruzados de várias camadas de trincheiras, e as milhares de crateras deixadas por morteiros, artilharia e pela detonação de minas subterrâneas.
Uma fotografia em cores de soldados aliados no campo de batalha na Frente Ocidental. Esta imagem foi obtida utilizando o processo de Paget, uma primeira experiência em fotografia colorida. 
A coluna de munição alemã, homens e cavalos equipados com máscaras de gás, passam por árvores contaminadas por gás, em junho de 1918.
Soldados alemães fogem de um ataque a gás em Flandres, na Bélgica, em setembro de 1917. Armas químicas foram uma parte do arsenal dos exércitos da Primeira Guerra Mundial desde o início, de irritantes gases lacrimogêneos, doloroso gás mostarda a agentes letais como o fosgênio e o cloro. 
Membros da Cruz Vermelha Alemã, carregando uma garrafa de líquido para reviver aqueles que sucumbiram a um ataque de gás.
Os Britânicos entram em Lille, França, em outubro de 1918, após quatro anos de ocupação alemã. A partir do verão de 1918, as forças aliadas iniciaram uma série de contra-ofensivas de sucesso, rompendo as linhas alemãs e cortando as linhas de abastecimento para as forças austro-húngaras. Com a aproximação do outono, o fim da guerra parecia inevitável. 
O USS Nebraska, um navio de guerra da Marinha dos Estados Unidos, com uma deslumbrante camuflagem pintada no casco, em Norfolk, Virginia, em 20 de abril de 1918. A camuflagem Dazzle, foi amplamente utilizada durante os anos de guerra, sendo projetada para dificultar que um inimigo estimasse o alcance, título, ou a velocidade de um navio e torná-lo um alvo mais difícil.
Um hospital alemão para cães, tratando de cães feridos vindos da frente de combate por volta de 1918.
Companhia A do Exército dos EUA, Nono batalhão de metralhadoras. Três soldados e uma metralhadora instalada em uma loja de uma ferrovia de Chateau Thierry, França, em 7 de junho de 1918.

Abrax

Assinatura: Não vá embora ainda!Passe na página inicial AQUI e confira outros posts!
Os emoticons espalhados pelo blog são sonoros, clique neles mas cuidado com o volume!
Lista de todos os Smyles sonoros AQUI

4 comentários:

guilherme70s disse...

Parabéns pelo Blog. De todos que eu visito posso sem dúvida alguma dizer que se trata de uma dos mais inteligentes e interessantes de toda a net. As fotos são exclusivas, registros raros difíceis de serem obtidos, os textos apresentam qualidade de elaboração e escrita ótimas e os fatos históricos aqui retratados muitas vezes não são de conhecimento do grande público.

Não tenha dúvida de que seu material faz um grande trabalho em reavivar a história e trazer informações imprescindíveis para melhorar o conhecimento do mundo e sociedade em que vivemos.

Abraço!

Rus mea disse...


Fico sem palavras Guilherme...

Tu nem faz ideia do quanto, comentários como o teu, me dão fôlego para continuar traduzindo/adaptando e compartilhando materiais, digamos, não tão populares assim^^

Muito obrigado mesmo! o/

Grande abrax^^

Giovane Poschi disse...

Ótimo trabalho!!! Um blog sem erros de escrita , de fácil leitura e entendimento, com fotos bem explicadas em seus textos. Já adicionei como "favoritos" . Muito obrigado!!!!!

Rus mea disse...


Eu que agradeço Giovane^^

Grande abrax^^