Ueba^^

Uêba - Os Melhores LinksUm mundo de conteúdoEstá no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!Tedioso: Os melhores links

quinta-feira, novembro 1

Dioramas da morte. A história por trás da ciência em desvendar crimes...

Fonte

Sensacional história por trás das análises criminais! Riso For 
Quem diria que cenários em miniaturas criados pela vovó, ajudariam a desvendar crimes! Riso For 

Segue abaixo essa fantástica história: Riso For 

"Todos os anos, os policiais de todo o mundo se reúnem na Associação de Ciências policiais em Harvard (HAPS)
Durante os três dias do evento, os policiais assistem a palestras e participam de workshops que abrangem temas tão macabros como "Afogamentos homicidas" e "investigação de mortes de bebês e crianças." Para enfrentar o pior do lado escuro da humanidade é preciso um certo desprendimento que não é qualquer um que pode ter. 
Por isso, é uma surpresa que o fundador da HAPS e alguns diriam que a figura mais importante no campo da análise forense moderna, foi uma vovó de 67 anos que gostava de fazer bonecas.



Frances Glessner Lee nasceu em Chicago em 1878 filha de John e Glessner Frances. O 
Sr. Glessner foi o vice-presidente da International Harvester, uma empresa que fabricava máquinas agrícolas, graças a isso, a família vivia no luxo em frente ao lago de Windy City.
Educação em casa era comum entre as elites sociais, e os melhores tutores ensinaram a Frances e seu irmão, George. 
Frances se destacou especialmente em seus estudos, e esperava continuar a praticar medicina ou direito. Quando ela não estava lendo livros, Frances aprendia habilidades mais domésticas, como costura, tricô, design de interiores, e pintura, o que ela fazia com o mesmo entusiasmo e habilidade.

Ela teve muitas conquistas, mas Frances Lee é talvez melhor conhecida por seus dioramas que são perturbadoras casas de bonecas.

Cena de crime na cozinha e alguns detalhes da cena 




Aos 20 anos, Lee encontrou um amigo de seu irmão chamado George Magrath.
Magrath foi estudar medicina em Harvard com planos de ir para o campo relativamente novo da medicina legal. Depois de ouvir histórias de Magrath sobre a solução de crimes através da análise científica como fazia seu detetive favorito literário, Sherlock Holmes, Lee ficou intrigada com a área.

Ao longo de muitos anos, com a orientação de Magrath, Lee tornou-se uma analista autodidata de cenas de crimes. Usando sua riqueza e influência social, ela foi capaz de adquirir livros, participar de palestras e obter acesso a autópsias, cenas de crime, e outros lugares que para leigos normalmente não era permitido. Embora ela nunca esteve oficialmente envolvida em um caso, suas opiniões eram respeitadas e apreciadas pelos oficiais responsáveis, ao ponto que muitas vezes a chamavam de "Mãe" Lee.

Cena do banheiro e detalhes
Depois que seu irmão morreu em 1930, deixando Lee no controle de grande parte da fortuna da família, tornou-se uma benfeitora para Magrath e no campo da ciência forense. Lee ajudou a estabelecer o Departamento de Medicina Legal da Universidade de Harvard com uma doação de US $ 250.000 (cerca de 3,8 milhões dólares hoje), e fundou a Biblioteca da escola Magrath em 1936 com a doação de 1.000 livros de análise de cenas de crime e manuscritos de sua vasta coleção pessoal.

Lee não foi só campeã no campo da medicina forense, mas ela também inovou para as mulheres. Em 1943, a Polícia do estado de New Hampshire a nomeou como capitã honorária, a primeira mulher a ocupar o cargo. Além disso, ela foi o primeiro membro feminino da Associação Internacional dos Chefes de Polícia, e da Academia Americana de Ciências Forenses.

Embora Magrath tenha morrido em 1938, Lee continuou sua missão, estabelecendo o HAPS em 1945 e acomodou o seu seminário de treinamento agora famoso. Lee pessoalmente organizou o evento, desde a escolha dos temas do seminário para leitura de livros, e até mesmo supervisionou todos os detalhes do jantar formal, que encerrou a conferência.



Ao mesmo tempo que ela estava ocupada começando o HAPS, Lee ouviu uma queixa comum de muitos jovens oficiais tentando aprender sobre análise de cenas de crimes: simplesmente não havia crimes suficientes para analisar.



Para resolver o problema, Lee virou-se para um passatempo que tinha desfrutado por muitos anos, a criação de dioramas em miniatura. Dioramas eram um passatempo comum para as mulheres no início do século 20, especialmente para herdeiras ricas, com um monte de tempo em suas mãos. Uma das primeiras incursões de Lee  no artesanato foi uma cena em miniatura com a Chicago Symphony Orchestra, construído por Lee quando tinha 35 anos, como um presente para sua mãe. Lee passou dois meses criando os 90 músicos, cada um com as roupas costuradas à mão, tocando música com pequenas partituras e com instrumentos feitos à mão em miniatura.

Crime no quarto e os detalhes a seguir





Suas habilidades lhe serviram bem para criar cenas de morte em miniatura para fins de treinamento forense, um projeto que chamou de Estudos Nutshell de Morte inexplicada. Ela pegou o nome de um detetive, que disse: "Como o investigador, você deve ter em mente que existem duas responsabilidades:  a de limpar o nome inocente, bem como expor o culpado. Procure apenas os fatos ... encontre a verdade em poucas palavras."  (“As the investigator, you must bear in mind that there is a two-fold responsibility—to clear the innocent as well as expose the guilty. Seek only the facts … find the truth in a nutshell.” )


Para as fazer as miniaturas macabras, Lee criou cenários compostos extraídos de cenas de crimes da vida real, mortes acidentais e suicídios, e combinou-as com histórias de policiais, médicos legistas e funcionários do necrotério. Ela também recriou casos descritos em seus livros e manuais. Usando estas peças, ela construiu quartos na escala de uma-polegada-por-um-pé, completamente fechados em vidro para preservar a integridade do local, onde uma misteriosa morte teria ocorrido.






As bonecas vítimas eram todas feitas a mão e decoradas por Lee, que passou inúmeras horas colocando cada peça corretamente. Ela cortou e costurou todas as roupas a mão, indo tão longe ao ponto de criar meias minúsculas com alfinetes para torná-los o mais realista possível. Lee também pintou cada vítima para representar indícios científicos, tais como o nível de decomposição que seria de se esperar em um corpo que havia sido deixado descoberto por alguns dias. Lee também pintou pistas únicas sobre as bonecas, como marcas de mordida minúsculas deixadas por um assaltante.


Para garantir que o cenário era suficientemente complexo para ser realista, Lee recheou com acessórios que podiam ser importantes para o caso. Por exemplo, muitas miniaturas incluíam detalhes como minúsculos cigarro de palha, datas precisas sobre calendários nas paredes pintados à mão, prendedores de roupa de madeira em escala, frascos de medicamentos com rótulos pintados à mão, envelopes pequenos completos com mini selos, e datas precisas em manchetes de jornais em miniatura. Eram ainda adicionados aos instrumentos e decorações de morte, minúsculas, facas sangrentas, ou padrões de sangue espirrados na parede.



Os quartos de escala e mobiliário foram feitas principalmente pelo artesão Ralph Mosher e seu filho, a quem Lee contratatou para trabalhar nesses cenários em tempo integral. Como os acessórios, as salas e edifícios foram incrivelmente detalhados, com persianas, cortinas de trabalho, interruptores de luz e lâmpadas e chaves minúsculas de fechaduras nas portas. Uma das criações mais famosas de Mosher, foi um cenário chamado "A cabine queimada", que levou meses para o artesão construir, apenas para ter o seu interior queimado por um maçarico para fornecer evidências precisas de um incêndio no quarto.



Apesar das inúmeras horas gastas em cada um, Lee e os Moshers eram capazes de completar duas a três cenários por ano. Os dioramas foram doados a Harvard para uso em sala de aula e nos seminários HAPS anuais. Antes de estudar as evidências físicas no diorama, os alunos recebiam uma declaração de testemunha, mas o resto dependia de sua investigação e habilidades científicas.



Embora cada cenário tenha uma solução oficial para a misteriosa morte, o objetivo não era necessariamente um estagiário resolver o caso. Era mais importante que os alunos aprendessem a observar e analisar a cena usando uma abordagem científica. Mesmo que eles não pudessem resolver o caso, apresentar uma lista completa de análise de provas era considerada uma grande vitória.



Lee morreu em 1962 com a idade de 83 anos, mas os 20 "Estudos Nutshell" que ela fez, foram usados ​​em Harvard em seminários HAPS e como material didáctico até 1966, quando o departamento de Medicina Legal de Harvard  foi dissolvido. Mas o legado de Lee vive, como os 18 dioramas sobreviventes que estão alojados no escritório de Baltimore Medical Examiner, onde eles ainda são usados ​​para formação de analistas de futuras cenas de crimes."

Confira também esta matéria com cenas policiais do blog MHM Riso For

Abrax^^

Assinatura: Não vá embora ainda!Passe na página inicial AQUI e confira outros posts!
Os emoticons espalhados pelo blog são sonoros, clique neles mas cuidado com o volume!
Lista de todos os Smyles sonoros AQUI

Nenhum comentário: